Princial \ Psicografias \ MENSAGEM DE FINAL DE ANO DE 2017 DE PEDRO DE ALCÂNTARA (15-12-2017)
MENSAGEM DE FINAL DE ANO DE 2017 DE PEDRO DE ALCÂNTARA (15-12-2017) PDF Imprimir E-mail
Ter, 01 de Maio de 2018 23:50

MENSAGEM DE FINAL DE ANO DE 2017 DE PEDRO DE ALCÂNTARA (15-12-2017)

Obreiros do bem e da amizade, operários da caridade

Somos muito agradecidos pelo esforço de todos vocês durante este ano de muitas vitórias e muitas conquistas, mas também obstáculos, percalços, mas que nós saibamos recolher tanto das vitórias quanto das derrotas, experiências, conteúdos para que possam ficar gravados nos nossos corações e nos nossos espíritos e que possamos aplica-los em todos os momentos em que se fizerem necessários.

São conquistas que ficarão eternamente conosco trazendo marcas de luz para os nossos corações e nossos espíritos.

Queridos irmãos, se o momento é de amargura e agonia, continuem confiantes: nós, seus amigos espirituais, a todo instante e a todos os momentos estaremos junto a vocês, ombro a ombro, lado a lado, trazendo para vocês essa energias para que prossigam na caminhada em busca da luz , em busca dessas transformações espirituais tão importantes para os nossos amigos.

Lembro, quando completei 13 anos de idade, tive um novo tutor, o Marquês de Itanhanhem, e a recomendação dele , a instrução dele para os meus mestres, no primeiro artigo lia-se: -“Conheça-te a ti mesmo”.

O quanto foi importante para mim esse primeiro artigo: -Conheça-te a ti mesmo, pois através dele tomei consciência que acima do imperador do Brasil eu era um ser humano, um espírito que precisava ser lapidado, trabalhado, para que tivesse essa empatia com o meu povo, me colocasse no lugar do escravo, do servo, dos meus auxiliares, dos meus mestres, porque através dessa empatia eu pude recolher dificuldades, alegrias, felicidades, que emanava de cada um deles em cada dia de nossas existências em comum.

Tive muitos momentos difíceis durante o meu governo, como vocês bem sabem através da história que foi contada pelos humanos e que está sendo contada pelos amigos espirituais. Dificuldades estas, algumas eu podia compartilhar com os meus amigos, com ministros, outras não; outras dificuldades eu levava para o meu oratório e ali, ajoelhado perante Nosso Senhor Jesus Cristo, eu procurava, nesse contato íntimo, resolver determinadas questões que afligiam o meu governo.

Quantos momentos difíceis, meus irmãos. Passamos por várias situações conflituosas, pela escravidão, mas nesses momentos de prece, nesses mergulhos, que eu fazia no silêncio da noite, no silêncio do meu coração, procurava me fortalecer através dos ensinamentos do nosso Mestre Maior, quando podemos citar o capítulo V de Mateus, o lindo Sermão da Montanha, que tanta consolação, quanta esperança, quanta fé trazia ao meu coração.

O capítulo XI de Mateus, o “Jugo Leve” e o Salmo 23 de Davi conforme já me referi aqui algumas vezes, e que me fortalecia para os embates do dia a dia: “O Senhor é meu pastor, nada me faltará”

Queridos irmãos, façam como eu fazia, no silêncio da noite, no silêncio dos vossos corações; façam esse mergulho dentro de si mesmos, recorram a essas passagens do Evangelho, a esses salmos, e com certeza adquirirão forças para o dia seguinte, envolvidos na paz, essa paz que só o Senhor pode nos doar, não a paz do mundo, mas a paz de Jesus Cristo e a paz de Deus.

Gostaria de agradecer todas as homenagens que vocês me prestaram, mais uma vez digo não sou merecedor delas, considerem-me como um amigo de todos vocês, desta instituição, desta associação espírita Obreiros do Bem e de todas aquelas instituições que trabalham na caridade, no amor, trazendo para todos a luz, a salvação, o socorro, o consolo e o conforto.

Nós, da Associação Espírita Obreiros do Bem, irmanados nos dois planos, que possamos continuar cumprindo dignamente a nossa missão que são profagados a cada um de vocês e a cada um de nós.

Que possamos continuar conduzindo dignamente esta casa com esse trabalho em prol dos necessitados que aqui acorrem, conforme vários e vários relatos recebidos aqui nas reuniões mediúnicas; que essa instituição cumpra seu papel de amor e de caridade, e de caridade de todas as formas e de todos os níveis. Cada um de nós é responsável e comprometido com essa causa, comprometido com essa missão de amor.

A melhor homenagem que vocês podem me prestar, queridos amigos, é continuar trabalhando em prol do bem e do amor ao próximo, mantendo esse ambiente de estudo, de reuniões mediúnicas, esse ambiente de amizade, ambiente de harmonia, de sintonia com o Plano Espiritual Superior, trazendo assim um ar saudável, amoroso para a nossa instituição e vibrando positivamente cada um de vocês.

Cada um de nós podemos ir dissipando as trevas que envolvem determinados setores das nossas atividades do nosso planeta, do nosso país, aos poucos dissipando essas trevas com os pensamentos positivos, com os pensamentos otimistas, com os pensamentos do amor e conforme foi dito várias e várias vezes “só o amor constrói”.

Nesta noite que temos a oportunidade de comunicar aqui com meus amigos obreiros do bem, operários da caridade, não se deixem envolver pela onda de negativismo, de pessimismo que procuram assolar as nossas instituições, as nossas famílias, as nossas cidades, a humanidade de uma maneira em geral.

Com muita energia, determinação, perseverança, luta, confiança, fé, oração, vigilância, conseguiremos alcançar essa vitória de amor, a vitória do amor, a vitória tão almejada, tão perseguida pelos homens de bem.

Conheça-te a ti mesmo, como eu me recordo das orientações dos meus mestres, seguindo o artigo 1º dessas instruções que foram passadas para eles, para a minha educação moral.

Como eu compreendi a importância desse conhecimento, de nos compreendermos, de nos entendermos, de nos reconhecermos como espíritos falíveis, mas espíritos desejosos da sua renovação, que exige de cada um de nós o esforço, o empenho, a dedicação para vencermos os impulsos negativos, os maus pensamentos e aí sim fazermos a tão almejada transformação moral, a reforma íntima.

Quando me deparei com esta questão trazida pelos amigos espirituais no Livro dos Espíritos sobre o auto-conhecimento e essa reflexão que Santo Agostinho nos trouxe, percebi a importância do esforço empreendido por nós rumo à melhoria espiritual.

Nesses instantes que estamos aqui juntos, mais próximos, nunca esqueça, caros amigos, que em nenhum momento vocês ficaram sozinhos, desamparados. Estamos envolvendo, trazendo para vocês mensagens, lições para reflexões, através das preces que vocês trazem aqui para todos nós. Esse compartilhamento, esses espíritos que aqui trabalham dia a dia na nossa instituição, na nossa casa, procurando fortalecer o ânimo de vocês, intuí-los nos caminhos a seguir, envolvê-los nas atitudes, ações, direcionamentos,, tem que ser seguidos, conduzidos, trilhados por vocês, porque vocês tem o livre-arbítrio. Conforme nossos queridos: Mota Maia, Pai Velho Antonio de Aruanda, Alba e tantos e tantos espíritos, Agostinho, Artur, trazem aqui para vocês; nós temos o livre-arbítrio para decidirmos o caminho a trilhar, mas temos a responsabilidade desses caminhos trilhados, e sabemos que a cada ação corresponde uma reação, a Lei da Causa e Efeito.

Nesses instantes então, estamos aqui compartilhando, estamos aqui juntos nessa noite, festiva para todos nós, nesse congraçamento entre os dois planos... cada um de nós sente no íntimo das suas células tanto físicas quanto perispirituais uma energia diferente, uma energia de força, de determinação, de coragem a nos percorrer, sentimos como uma corrente eletromagnética envolvendo nossos corpos trazendo para nós a confiança, a certeza de dias melhores, a convicção de que não estamos aqui por acaso, que cada um de nós tem a responsabilidade de conduzir os nossos caminhos e aqueles que nos cercam, que nos confiam, para um mundo melhor.

Não se deixem abalar por essa onda de pessimismo que tenta impregnar as nossas mentes. Continuem confiantes . Nós temos por lema a fé, a esperança e a caridade. Sabemos conforme Paulo de Tarso nos traz, que a mais importante é a caridade, mas que tenhamos sempre essa determinação, a certeza da vitória do amor e da paz.

Queridos irmãos, despeço-me desejando a todos vocês nesta data maior da cristandade que se aproxima, o Natal, que esse espírito natalino, esse sim possa impregnar nossas mentes e os nossos corações, que esse espírito natalino permaneça em cada um de nós por todos os dias das nossas vidas.

Que essa comunhão de paz, de luz e de amor possa permanecer sempre conosco. Que este envolvimento que estamos sentindo agora, essa energia, essa luz em que todos estão mergulhados, que possamos permanecer sempre assim: sentindo essas vibrações amorosas; e que neste Natal possamos fazer aquela prece que sai do nossos corações, trazendo para os nossos familiares, para os nossos lares, para a nossa cidade, nosso país, para a humanidade, esses momentos deliciosos de amor, de harmonia, de paz e serenidade e acima de tudo, a consciência tranquila do dever cumprido.

Que a paz de nossos mestres envolva a todos vocês. Que tenham um Natal de muita luz e um novo ano repleto de realizações no bem, no amor. Que vocês continuem a proposta de auto-conhecimento, de reforma íntima, essa proposta de renovação e que a cada dia de 2018 tragam para vocês vitórias e que conforme foi dito aqui, às vezes na suposta derrota nós conseguimos alcançar vitórias que à primeira vista assim não nos parece. Tudo é experiência, conquista.

Sejam felizes, caros companheiros, laborando no bem dos brasileiros. Sobre a paz do Evangelho de Jesus

Pedro de Alcântara

 
Associação Espírita Obreiros do Bem, Powered by Joomla! and designed by SiteGround web hosting